Revillagigedo, eu fiz 24 mergulhos em 6 dias

O Mar de Cortez era um sonho antigo, cultivado com imagens de raias Manta nas revistas importadas e no romance “A garota do Mar de Cortez” de Peter Benchley, autor também do célebre livro “Tubarão”. Mas que tal ir muito além, até o arquipélago de Revillagigedo, 250 milhas a oeste de Cabo San Lucas? Cabo San Lucas é uma belíssima cidade da costa do pacifico Mexicano e é o ponto de partida e chegada do nosso living aboard, o Nautilus Explorer. Nesta viagem para Revillagigedo eu fiz 24 incríveis mergulhos em 6 dias comenta André Valentim que resolveu compartilhar sua experiência.

 

 

Após chegar ao aeroporto de Los Cabos (SJD), são 45 minutos de traslado até a cidade de Cabo San Lucas, ponto extremo da península de Cortez, banhada tanto pelo Mar de Cortez como pelas águas do pacífico. Após uma noite bem dormida, ou bem aproveitada na agitada cidade de Cabo San Lucas, cheia de bares no melhor estilo mexicano, fizemos o check-in a bordo do Nautilus Explorer, um pequeno navio de 116 pés, com capacidade para 23 mergulhadores. Nossa jornada se iniciou com 24 horas de navegação até as Ilhas do Arquipélago de Revillagigedo, que agrupam quatro ilhas: San Benedicto, Socorro, Roca Partida e Clarión. Apesar de o arquipélago se chamar Revillagigedo, o destino é mais conhecido como Socorro, primeiro devido à dificuldade em se pronunciar seu nome e também por ser a principal ilha, onde existe uma estação naval da marinha mexicana e habitam em torno de 250 pessoas.

Durante a longa, porém tranquila, navegação, entretemo-nos com vídeos e informações sobre o arquipélago e sobre seus habitantes marinhos, principalmente as raias Manta. A tripulação é composta em sua maioria por canadenses e mexicanos e não mede esforços para que todos se sintam confortáveis, entretidos e, principalmente, bem alimentados, pois a cozinha é um dos muitos pontos fortes dessa viagem.

 

 

O primeiro dia nos reserva 3 mergulhos relativamente tranquilos em San Benedito, um verdadeiro aquecimento para o ponto culminante desta viagem: Roca Partida! San Benedito rendeu um bom dia de ajustes de equipamentos de mergulho e principalmente de foto e vídeo. Durante a noite navegamos mais 5 horas para chegarmos a Roca Partida, a pontinha de uma montanha submarina que começa a 1300 metros de profundidade e aflora na superfície, possibilitando mergulhar ao seu redor mais de uma vez, conforme os limites de nosso EAN 32. Nossa viagem previa 2 dias de 4 mergulhos cada em Roca Partida, mas nosso capitão nos brindou com 4 dias, com 17 mergulhos inesquecíveis nessa pedra perdida no Pacifico, graças às excelentes condições de tempo que nossa equipe encontrou nessa viagem.

 

 

Nesse maravilhoso ponto, nossa equipe registrou 6 espécies distintas de tubarões: tubarão baleia, silver tips, white tips, tubarão de Galápagos, silkies e martelos. Além dos tubarões, também registramos raias Manta de grande porte, atuns amarelos e azuis, cavalas e diversos outros peixes pelágicos, mas o que realmente encantou a todos foi a fantástica interação com os golfinhos! Como na maioria dos lugares em que se mergulha com golfinhos, em um determinado momento um grupo de cetáceos se aproxima dos mergulhadores, mas era a partir daí que apareciam as diferenças de todos os outros encontros que já havíamos tido com estes mamíferos marinhos. Conforme alertaram previamente nossos excelentes dive masters locais, os golfinhos simplesmente paravam em nossa frente e ficavam imóveis, a uma distância que facilmente poderiam ser tocados (confesso que foi muito difícil resistir a esta tentação) e se comportavam de uma maneira inusitada e que se repetiu diversas vezes nesses dias de interação. Tinha início o “jogo dos golfinhos”, como batizou um dos membros de nossa expedição. Este jogo basicamente consiste em levar nossos mergulhadores às maiores profundidades possíveis, como o canto das sereias! Ganha o golfinho que primeiro fizer soar o alarme de PMO (profundidade máxima operacional) do computador! Era absolutamente impossível resistir! Eles paravam a centímetros dos fotógrafos e cinegrafistas, encantavam-nos e simplesmente deixavam seus corpos afundarem… Até nossos computadores apitarem! Raros foram os mergulhos em que não fomos até 40 metros em busca das melhores imagens! Mesmo mergulhando entre cardumes de alguns dos mais temidos tubarões dos oceanos, todos foram unânimes: os golfinhos de Roca Partida são as criaturas mais desafiadoras de Revillagigedo!

 

 

Nossa equipe reunia 8 pessoas bastante experientes, cuja soma de seus mergulhos facilmente superaria 20.000 imersões, porém, as cenas de tubarões baleia e golfinhos na mesma foto e dos diversos cardumes de tubarões deixava claro que Roca Partida era um lugar único e muito especial! Os intervalos de superfície eram preenchidos pela narração de cada um em seus mergulhos, pela excelente cozinha do Nautilus Explorer e pelos cuidados com os equipamentos de foto e vídeo. O ritmo de 4 ou 5 mergulhos por dia era cansativo, porém, recompensado pelos confortos a bordo e, sobretudo, pelas lembranças dos fantásticos mergulhos feitos em Roca!

 

 

Após 4 dias em Roca Partida, iniciamos nosso retorno ao continente com uma parada obrigatória em Socorro para a inspeção da Marinha Mexicana. Mas Socorro nos reservava muito mais que uma parada burocrática! Foi mais um dia de 3 mergulhos (ou 4 para os mais fominhas) com muitas emoções …e bem fortes! Antes mesmo de terminarmos de nos equipar, a tripulação já avistava Mantas na superfície em torno de nosso ponto de mergulho, Cabo Pierce. Nos 4 mergulhos realizados nesse ponto, tivemos a companhia de Mantas e, em alguns casos, até 3 ao mesmo tempo! Isso para não falar nos polvos, linguados, lagostas, tubarões e toda uma completa fauna submarina que só o oceano pacífico pode proporcionar.

 

 

Depois de todos esses mergulhos scuba e alguns mergulhos livres com Mantas, a tripulação nos convidou para um snorkeling noturno com os”amigáveis” silkies sharks em nossa última noite em Revillagigedo. Amigáveis porque eles não têm a menor cerimônia em se aproximar dos mergulhadores, chegando até a encostar neles nas paradas de segurança. Na popa do Nautilus Explorer eram acesas potentes luzes, atraindo assim os peixes voadores, iguaria que nenhum silk dispensa! Este mergulho é obviamente opcional e posso garantir que quem não estava na água estava na plataforma de popa torcendo, só não se sabe para quem… Os silkies caçando os peixes voadores proporcionaram imagens excelentes aos fotógrafos e cinegrafistas presentes, bem como sustos aos outros mergulhadores que
estavam na água!

Em 6 dias de mergulho, nossa equipe a bordo do Nautilus Explorer fez 24 mergulhos scuba, diversos mergulhos livres e registrou todos os pelágicos que habitam esta região nesta época do ano. Fica a promessa de voltarmos entre os meses de novembro e março para incluirmos nessa lista VIP a baleia- jubarte! Fica também a certeza de que Revillagigedo é um dos melhores oásis de vida selvagem oceânica do mundo e que nenhum de nós jamais esquecerá nossos encontros com estes animais fantásticos, nem nossas derrotas nos jogos dos golfinhos. Eu mesmo “perdi” pelo menos umas 5 vezes…

O que você achou desta experiência? Nossa equipe de mergulhadores estará disponível para dar todo o suporte na montagem da sua viagem em busca da melhor viagem para Revillagigedo. Estaremos esperando você no WhatsApp (11) 98457 6198 ou info@divetravel.com.br

Sobre o autor:
André Valentim, nascido 1971, mergulhador desde os 14 anos de idade, formado instrutor em 1988, tendo sempre atuado na área de instrução de mergulho, com mais de 1200 alunos formados, e mais de 200 profissionais de mergulho formados.  Instructor Trainer DAN, Instructor Trainer TXR all levels, Instructor Certifier SSI, Instructor Trainer PAB, Technical Cave diver e CCR diver.

André nas mídias sociais 

https://www.facebook.com/avdive.andrevalentim/